Digite a palavra-chave

Fundação Stickel promove curso de fotografia para deficientes visuais

A Fundação Stickel, entidade que atua na Brasilândia, Zona Norte de São Paulo, promoverá um curso que possibilitará que deficientes visuais aprendam a fotografar. As inscrições são gratuitas e já se encontram abertas.

O Projeto 24 Horas de Olhar Universal será realizado a partir do dia 25 de outubro, por meio de uma parceria com a Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência. O ponto de partida para iniciar os deficientes visuais na arte de fotografar será juntá-los em duplas com alunos sem deficiência, que por sua vez aprenderão métodos especiais para descrever as paisagens à sua frente, a fim de que possam auxiliar os colegas. Vale ressaltar que todos terão condições de avaliar o resultado de seus trabalhos, já que algumas fotos serão reveladas com texturas por meio de um método especial criado pela WG Produto.

Um dos professores do curso é o fotógrafo e jornalista Teco Barbeiro, que é deficiente visual e atuou recentemente na campanha publicitária da ADD (Associação Desportiva para Deficientes). “Pretendo ensiná-los como usar os outros sentidos. Mostrar que é possível fotografar sem enxergar e que a fotografia é uma forma de inclusão social”, afirma Barbeiro.

Os participantes também trocarão experiências com o renomado fotógrafo Arnaldo Pappalardo e a formação em áudio-descrição será fornecida pela professora Lívia Maria Villela de Mello Motta, doutora em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem, que atua tanto na área de treinamento de professores para a escola inclusiva como na inclusão cultural das pessoas com deficiência visual.

As inscrições podem ser feitas na Casa de Cultura da Brasilândia (Praça Benedita Cavalheiro s/n) e na Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10, Barra Funda). A turma será composta por 16 alunos.

O curso será realizado até dezembro nas dependências didáticas da Fundação Stickel, na Casa de Cultura. “A ideia é fazer com que o deficiente visual também possa expressar-se por meio da construção de imagens, a partir de imagens mentais e clicando momentos diversos do cotidiano”, explicou Monica Picavêa, superintendente da Fundação Stickel.

Link da Publicação: http://www.ressoar.org.br/noticia_0248_curso_foto_cegos.asp