Digite a palavra-chave

Integrantes do Programa Mulheres de Talento administram buffet comunitário

Para um grupo de 10 mulheres do Jardim Damasceno, na Vila Brasilândia, Zona Norte de São Paulo, a panificação se tornou muito mais do que a arte de produzir pães, doces ou alimentos semelhantes. Agora, se transformou em uma oportunidade para obter qualificação profissional e gerar a renda.

O grupo integra o Buffet Doces Talentos, fruto do Projeto Grupo de Padaria do Programa Mulheres de Talento, iniciativa da Fundação Stickel em parceria com a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Senai.

Destinado a mulheres a partir dos 35 anos em situação de vulnerabilidade social, desempregadas e com renda abaixo de um salário mínimo, o Programa Mulheres de Talento busca a criação de grupos de geração de renda, capacitando pessoas para gestão de um negócio comunitário, baseado em quatro pilares: Capacitação para Oficio, Gestão e Formalização, Desenvolvimento Pessoal e Microcrédito. A incubação tem duração de dois anos.

O objetivo principal é melhorar a renda das comunidades do bairro dando às mulheres autonomia e permitindo que produzam conjuntamente e aprendam a gerir um empreendimento dentro da economia solidária, inserindo-se formalmente no mercado.
Entre julho e setembro, o buffet registrou um faturamento de R$ 11,8 mil (pela divisão média, cada uma ficou com R$ 468,00, o que corresponde ao dobro e muitas vezes o quádruplo do que já ganhavam antes de participar do programa). O grupo efetua cerca de 40 vendas por dia de pães e bolos no CEU Paz. Entre julho e agosto já produziu mais de 1000 pães e 200 bolos, tendo participado de 11 eventos. Também está iniciando uma pequena cantina em um canteiro de obras na Barra Funda.

Em setembro, elas participarão de seis eventos e, para outubro, estão marcados mais quatro. Vale ressaltar que as integrantes do Buffet Doces Talentos frequentaram um curso sobre alimentação saudável. Por isso, em suas receitas utilizam itens nutritivos e saudáveis.

Corte e Costura- O outro núcleo do Mulheres de Talento, Projeto Grupo de Corte Costura, reúne 13 mulheres do bairro Carumbé para formação de uma cooperativa ou micro-empresa de participação comunitária na área de corte e costura. Elas já formaram a marca Brasilianas Feito à Mão, especializada na produção de ecobags feitas de banners e sobras de tecidos cedidos pela Sparco (fabricante de acessórios automobilísticos).

A região da Vila Brasilândia foi escolhida por ter um grande número de mulheres, chefes de família, desempregadas e com baixa escolaridade. A área detém hoje um dos piores índices da cidade de São Paulo no que diz respeito à escolaridade e ao emprego de mulheres, em especial acima de 35 anos, idade em que têm ainda menos chances de se recolocarem no mercado de trabalho.

Sobre a Fundação Stickel

Originada em 1954, por conta da atuação social e assistencial do casal Martha e Erico Stickel, a Fundação Stickel teve como proposta inicial atender crianças carentes afetadas pela tuberculose.

Posteriormente, a vocação da entidade foi revista e focada no fomento à arte contemporânea brasileira e no desenvolvimento de comunidades com altos índices de vulnerabilidade social.

Atualmente, a Fundação realiza diversas ações voltadas à promoção de trabalhos de artistas no campo da fotografia, gravuras e outras artes, que, em contrapartida, disponibilizam seus conhecimentos aos jovens da Brasilândia, ministrando oficinas e workshops em parceria com a Fundação.

A instituição investe ainda em programas voltados à geração de renda para a comunidade da Vila Brasilândia, como “Jovens de Talento” e “Mulheres de Talento”, possibilitando aos assistidos pelos projetos oportunidades de inserção social pelo trabalho e pelo acesso à cultura (www.fundacaostickel.org.br).