Digite a palavra-chave

Vila Olímpia é retratada em detalhes por Fernando Stickel

Vai até o dia 6 de outubro, na Casa de Cultura da Brasilândia, a exposição de fotos do artista plástico Fernando Stickel.

As imagens fazem parte de seu livro “Vila Olímpia”, que desde o lançamento, em 2006, já passou por diversas galerias como a Pinacoteca do Estado (São Paulo), Instituto Goethe (Salvador) e Museu de Arte Contemporânea (Campinas).

Segundo o artista, a intenção das fotos é retratar a região em que vive há mais de vinte anos através de detalhes que muitas vezes não são notados por quem passa distraído. As imagens foram feitas entre os anos 2004 e 2005.

Fernando é arquiteto por formação, mas, como ele mesmo se define, “artista plástico de alma e profissão”. Além de desenhar, pintar, escrever, fotografar e esculpir, é também presidente da Fundação Stickel, responsável por promover diversos projetos na Vila Brasilândia. Em entrevista a Terra Magazine, fala mais sobre a exposição e o projeto desenvolvido na Casa de Cultura da Brasilândia.

Leia a entrevista.

Terra Magazine – De que maneira sua formação de arquiteto influenciou nas fotos de “Vila Olímpia”?

Fernando Stickel – Eu me formei arquiteto, trabalhei alguns anos com arquitetura, em empresas de engenharia e de design gráfico. Mas logo percebi que tudo isso não fazia minha cabeça, eu decidi que queria mesmo é ser artista plástico. Em 1980, iniciei uma carreira já me considerando artista plástico profissional. Pintei, desenhei, dei aulas de desenho. A idéia de fotografar surgiu em 2003, quando criei um blog e descobri que precisava de uma máquina digital, a partir daí comecei a fotografar muito. Pouco a pouco esse trabalho foi crescendo até se transformar no livro. A máquina pra mim foi mais um instrumento: como um lápis, um pincel, uma aquarela…

E por que resolveu fotografar essa região em específico?

Eu moro na Vila Olímpia há mais de 20 anos, procurei imagens interessantes na minha rua. Detalhes, coisas que você passando distraído não percebe.

Além do blog, você lançou também um livro de poesia. E também pinta, esculpe, desenha…

Eu vou fazendo essa “mistureba” que é o meu trabalho. Tem muitos artistas que são fáceis de identificar, porque o cara só pinta, ou só desenha, tem uma linha definida de trabalho. No meu caso é mais caótico mesmo. Um dia escrevo, outro dia fotografo, aí tem o blog que é uma maneira diferente de escrever. Me considero um artista, mas que vai usando diversos instrumentos.

E esse projeto na Casa de Cultura da Brasilândia, como funciona?

A fundação atua na Vila Brasilândia em diversas áreas. Na área social, geração de renda, educacional e também artístico-cultural através da “Cultura na Comunidade”. A idéia é ter um intercâmbio de artistas com a comunidade. Assim como já teve a exposição do fotógrafo Juan Steves e agora está tendo a minha, nós teremos uma exposição de uma artista local. Então nós também vamos fazer o movimento inverso, além de levar os artistas para a Brasilândia, também levar os artistas da Brasilândia para expor no centro (da cidade). Lá (na Casa de Cultura da Brasilândia) nós já realizamos cursos de fotografia e documentário, são vários projetos que estão em andamento.

Serviço:
Exposição “Vila Olímpia”, do artista plástico Fernando Stickel
Data: até 6 de outubro
Local: Casa de Cultura da Brasilândia
Praça Benedita Cavalheiro s/n – São Paulo SP
Horário: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h
Entrada franca